sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Capítulo 6


            Na manhã seguinte Todos acordaram cedo, Arthur foi o primeiro, sempre acordava bem disposto a desgosto de Zorf que se mal dizia de dores nas costas, mas ninguém ligou para ele, todos estavam de pé e se arrumando para ir para a cidade seguinte.
- O que é isso? – Perguntou Zorf a Arthur sobre um pedaço de bambu com furos.
- É uma Flauta.
- Nunca havia visto uma de perto.
- Sim, A música é uma arte fantástica, Dominus Rei disse certa vez que em um de seus escritos que “O sábio pleno é aquele que consegue entender a ciência da arte e a arte da ciência ao mesmo tempo”. Minus, tem certeza que quer matar Dominus Rei, penso eu que esteja ciente de quem estamos falando...
- Ele o Rei Ancião, o Representante de Fausto, O Primeiro Grande Mago e essas coisas.
- Dizem que ele é invencível – disse Zorf – e... ih! Esqueci o que mais.
- Dizem que ele fala com o próprio espírito de Fausto na Sala dos Antigos Deuses da Terra, – Continuou Arthur enquanto todos arrumavam suas coisas nas mochilas – dizem que ele pode consultá-lo sempre que quiser. Dizem que ele é tão sábio que prevê todo o futuro, e que ele tem o poder de mudar o passado.
- Os Reis Anciãos não vão para o mesmo lugar que nós, quando morrem se transformam em luz – disse Zorf – era o que dizia minha mama.
- Dizem que Dominus Rei não pode ser visto por qualquer um, porque todos que o vêem se tornam mais sábios apenas por ver sua aura dourada de sabedoria.
- Uau! – Impressionou-se Zorf que nem mais arrumava suas coisas, apenas ouvia Arthur.
- Dizem também que se alguém que não tem sabedoria o bastante chegar a ver Dominus Rei esta pessoa fica louca, porque não consegue entender tanta coisa ao mesmo tempo. E Dizem também que na Sala dos Antigos Deuses da Terra ele pode ver e ouvir o pensamento de cada pessoa dos 5 reinos.
- É isso que dizem? – Finalmente levantou Minus.
- Sim, foi isso que eu ouvi falar.
- Sabe... Uma mentira contada várias vezes pode tornar-se verdade... – disse ele levantando a mochila e começando a caminhar – Mas até que se torne verdade continua sendo uma mentira.

3 comentários:

Tarciana Costa disse...

:)

Ana C. disse...

Ainda me há de explicar de onde lhe vem esta imaginação. :)

Tania regina Contreiras disse...

Grata pela visita. Voltarei para pegar o fio da meada, começando do começo :-)
Abraços,

Postar um comentário